O que é a Ortodontia?

A indevida posição dos dentes está na base de muitos problemas de saúde oral. Os dentes tortos ou que não encaixam corretamente – má oclusão dentária – são difíceis de manter limpos (o que pode conduzir à sua deterioração ou à doença periodontal) e também causam um stress adicional aos músculos de mastigação (o que pode provocar dores de cabeça, problemas na articulação temporomandibular e dores na região do pescoço, dos ombros e das costas).

A Ortodontia corrige a posição dos dentes e dos ossos maxilares através de aparelhos fixos ou removíveis, de forma a melhorar a saúde oral dos pacientes e a estética do seu sorriso… e, potencialmente, melhorar significativamente a sua autoestima. Atualmente já é possível fazê-lo de forma invisível (ver seção Opções de Tratamento – Aparelho Invisível).

Quais os Benefícios?

A correta oclusão dentária é um fator essencial à saúde oral, podendo evitar situações como o aparecimento frequente de cáries e todos os problemas resultantes do síndrome da articulação temporomandibular.

Higiene Oral Facilitada

E a melhoria da higiene oral traduz-se numa diminuição da incidência de cáries, da doença periodontal e de perda de dentes.

Estética Facial

Os “dentes direitinhos” são um dos contributos mais importantes para a harmonia da estética do sorriso e da face.

Eficácia Mastigatória

A ortodontia favorece o bom funcionamento dos músculos e articulações faciais e, assim, a eficácia mastigatória.

Opções de Tratamento

Existem vários tipos de aparelhos dentários, cada um pensado para as necessidades e expetativas de cada paciente. A escolha do aparelho ortodôntico mais adequado é sempre feita em conjunto com um especialista.

APARELHO FIXO

O aparelho fixo é o mais utilizado para tratamentos ortodônticos. Através de bandas metálicas, brackets, arcos e elásticos, o aparelho fixo aplica forças nos dentes e permite corrigir a sua posição e alinhamento.

Este tipo de aparelho não é removível e exige cuidados orais reforçados.

Existem algumas variantes dos aparelhos fixos.

APARELHO FIXO ESTÉTICA

Os aparelhos estéticos são uma alternativa mais discreta e subtil para os pacientes que precisam de corrigir a posição dos dentes.

O aparelho fixo estético é em tudo semelhante ao aparelho fixo, no entanto os seus brackets não são feitos de aço e sim de materiais de cores mais próximas às dos dentes. Podem ser em policarbonato, porcelana ou safira.

Este aparelho possibilita melhores resultados estéticos, mas ainda requer uma higienização e manutenção muito cuidadas, tal como a versão tradicional.

APARELHO FIXO AUTOLIGÁVEL

Tanto o aparelho fixo como a sua versão estética podem ser executados com um sistema “autoligável”, em que não é necessário colocar borrachinhas nos brackets para prender os fios ou arcos ortodônticos, sendo estes prendidos diretamente nos brackets. Este aparelho também recorre a arcos produzidos com ligas metálicas diferentes da convencional.

Estes dois fatores podem ditar a diminuição do tempo necessário de tratamento e também da frequência das consultas de manutenção.

APARELHO INVISÍVEL

Clinica Dentaria DDI - Invisalign
O aparelho invisível é composto por um conjunto de alinhadores – transparentes e removíveis – que se encaixam nos dentes e fazem a pressão necessária à correção da sua posição. Os alinhadores são produzidos à medida de cada paciente e têm de ser trocados com frequência.

Hoje em dia, é uma solução viável para uma grande parte dos casos de ortodontia. Por causa das suas características (além de invisível, permite que seja retirado para comer e para escovar os dentes), é um dos preferidos dos pacientes. Traz igualmente benefícios ao nível da saúde oral, já que possibilita uma melhor higienização e limpeza quando comparado com o aparelho fixo.

APARELHO REMOVÍVEL

O aparelho móvel ou removível é utilizado maioritariamente por crianças entre os 6 e os 12 anos para corrigir problemas nas funções da boca (como a mastigação e a fala), para direcionar o seu crescimento ósseo facial, e para garantir que os dentes permanentes crescem da forma mais adequada.

Em muitos casos, o tratamento com aparelhos móveis é complementado posteriormente com aparelhos fixos.

EXPANSORES PALATINOS

O expansor palatino é um aparelho fixo aplicado no palato (ou “céu da boca”) para alargar o arco do maxilar superior.

Os pacientes com mordida cruzada têm, geralmente, indicação para usar este tipo de aparelho. Esta tipo de mordida, em crianças, pode ser causada por problemas respiratórios ou por atraso na perda dos dentes de leite, e também está presente em pessoas com lábio leporino ou fissuras palatinas. Estas situações resultam no estreitar do céu-da-boca e devem ser corrigidas rapidamente para evitar problemas graves na saúde dos pacientes.

Metodologia Dental Design Institute

Da consulta inicial à colocação de contenções, todos os passos são importantes para garantir o correto posicionamento dos dentes. É um processo bastante exigente, já que requere visitas frequentes ao dentista.

Na primeira consulta, é feita a avaliação e o estudo ortodônticos de forma a determinar o tratamento a adotar. São realizados exames radiográficos, moldes em gesso e fotografias para o estudo da boca.
Com estes dados, o médico dentista completa o diagnóstico e indica o plano de tratamento ortodôntico ideal para o caso.

Depois do estudo aprofundado do caso, o especialista determina qual o aparelho dentário mais adequado ao caso e depois esse aparelho é colocado no paciente. O médico dentista também discute com o paciente todas as recomendações e cuidados diários a ter para que o tratamento surta os melhores resultados.

A manutenção do aparelho deve ser feita em consultas regulares com o médico dentista. Normalmente, estas visitas têm uma frequência mensal, no entanto pode variar consoante o caso.

O especialista tem assim oportunidade de ajustar o aparelho e a pressão que este exerce nos dentes e, também, pode proceder a uma limpeza profunda de todos os componentes do aparelho (o que não é possível com os cuidados diários em casa).

Depois de o aparelho ser removido, o mais comum é o dentista recomendar o uso de aparelhos de contenção para evitar que os dentes se movimentem para uma posição inadequada.

É uma fase essencial de todo o processo, porque garante que os resultados atingidos com o aparelho fixo se conservam para toda a vida.

Perguntas Frequentes (FAQ)

Gostava de saber mais sobre a ortodontia e a colocação de aparelhos dentários? Descubra abaixo! Desde os cuidados a ter com os aparelhos aos casos em que a utilização destes é mais indicada.

O QUE PODE SER CORRIGIDO COM UM APARELHO DENTÁRIO?

Os aparelhos ortodônticos melhoram a condição “orofacial” do paciente. Podem ser corrigidos problemas como dentes desalinhados ou apinhados, sobremordida, prognatismo, posição incorreta do maxilar e distúrbios das articulações do maxilar.

QUEM DEVE USAR APARELHO DENTÁRIO? OS ADULTOS PODEM FAZE-LO?

O próprio paciente pode avaliar se os seus dentes estão bem alinhados e posicionados. Contudo, é vital pedir uma avaliação mais aprofundada e assertiva ao médico dentista.

É importante referir que quanto mais cedo se proceder a este tipo de tratamento ortodôntico melhor. O momento indicado para a colocação de aparelhos é entre os 10 e os 14 anos, uma fase em que a cabeça e a boca estão em crescimento e em que os dentes respondem melhor às correções.

E sim, os adultos também podem usar aparelho dentário e não existe idade máxima para a realização deste tipo de tratamentos. Aliás, cada vez mais adultos corrigem problemas ortodônticos e melhoram o seu sorriso.

QUAIS OS BENEFÍCIOS DA ORTODONTIA, ALÉM DE ESTÉTICA?

O tratamento ortodôntico vai restabelecer a oclusão dentária, isto é, a correta relação entre os dois maxilares e o devido posicionamento dentário. Esta é essencial à manutenção de todas as funções orais (mastigação, fonação, deglutição) e permite uma melhor higiene oral.

Assim, a ortodontia beneficia a saúde oral dos pacientes e evita certas situações, tais como dor na articulação temporomandibular (provocada por tensão adicional nos músculos de mastigação) e doença periodontal (causada, por vezes, pela acumulação de placa bacteriana).

A COLOCAÇÃO DO APARELHO É DOLOROSA?

Os pacientes sentem, por vezes, algum desconforto, sensibilidade e dor nas horas que se seguem às consultas com o dentista – tanto à consulta inicial para a colocação do aparelho como às consultas de manutenção, em que os fios de ligação são apertados. Ressalvamos que esta dor nunca será muito forte, ou incapacitante.

Após o período de habituação, a situação normaliza-se e todos estes sinais desaparecem.

QUAIS OS CUIDADOS A TER COM OS APARELHOS?

É vital seguir as recomendações do médico dentista para garantir que o tratamento alcança os resultados desejados.

  • Alimentação

São de evitar as gomas, pastilhas ou alimentos duros. A fruta, por exemplo, deve ser cortada antes de ingerida.

  • Higienização

Como o aparelho dentário aumenta a possibilidade de acumulação de bactérias e resíduos, é necessária uma higiene oral reforçada. Os cuidados orais devem incluir o uso de fio dentário, a limpeza com uma escova e pasta de dentes adequadas, a higienização dos espaços entre os dentes com uma escova interdental, e o flúor.

  • Consultas de manutenção

As visitas ao dentista servem para reajustar o aparelho e garantir a sua limpeza. Normalmente, estas consultas são mensais, mas a sua frequência é sempre decidida pelo especialista e de acordo com o caso particular.

QUANTO TEMPO DEMORA O TRATAMENTO?

Os tratamentos ortodônticos e a respetiva duração são sempre adaptados ao paciente, à sua oclusão dentária e às suas expetativas. Podemos apontar uma média de 24 meses de tratamento ativo (uso de aparelho ortodôntico), seguidos de um período variável de utilização de um dispositivo de retenção.

DEPOIS DO TRATAMENTO, OS DENTES PODEM VOLTAR Á POSIÇÃO ORIGINAL?

Devido ao crescimento e às alterações funcionais, existe a possibilidade de ocorrerem pequenas acomodações após o tratamento. Contudo, os dentes nunca voltarão à posição original.

Um bom especialista em ortodontia pode evitar estas “acomodações” através de uma correta análise inicial e planeamento, da execução das melhores práticas e técnicas ortodônticas, e da utilização de aparelhos de contenção.